17 outubro 2014

Não, eu não quero viver só

   Quando era criança, pensava que iria crescer... Mas nunca conseguia me imaginar velha, velha seria correto? Bom, não me imaginava idosa. Muito menos adulta. Me imaginava jovem, jovem do tipo 25 anos de idade, e nada além disso.
   Era fácil pensar em como eu queria ser, e como as coisas deveriam acontecer pra mim. Lembro, que quando fiz quinze anos o senso de morte e o significado dela para mim foram criando uma curiosidade e um frisson. Não sei ao certo o por que do fascínio por esse assunto ter começado, mas quando fiz dezesseis anos uma verdade, que eu havia determinado que seria a verdade, se instalou como um vírus em minha mente... E a conclusão para todo aquele fascínio era que eu não chegaria aos 20 anos, que iria morrer antes!

   E ai, minhas conversas tinham o mesmo tema: a morte. Entreva em carros e imaginava acidentes, entreva em elevadores e pensava que iriam despencar no poço. Andava na rua pensando em tiroteios, quando sozinha em casa  e estava no banho  pensava que alguém poderia me matar. Eram tantas as causas... Afogamento, morrer dormindo, ser atropelada, ser morta em um assalto. 

   Não queria ter relacionamentos duradouros, por que a certeza de que não viveria até completar vinte anos era mais do que real para mim. E então, comecei a adquirir hábitos...Me afastar,a não me apegar as pessoas, a me distanciar mentalmente dos lugares. Buscando sempre não sentir, não saber, não me envolver...

   Tudo era sempre difícil, por fora alegre por dentro um desespero, uma vontade louca de gritar. Por fora alguém engraçada e até simpática por assim dizer, por dentro um oceano de interrogações, de raiva, uma vontade desesperada que o episódio final acontecesse logo. Por que a espera era angustiante, por que era muito para suportar!

   Hoje, prestes a fazer vinte e quatro anos ainda não entendo o motivo para tanto querer. E as vezes, no fim da noite ainda me vem essa vontade louca de partir... Mas não pelos motivos de antes. Os motivos são novos, pois hoje já me deixo envolver por algumas pessoas... O motivo hoje seria o medo, por ter quebrado a verdade inicial. Por que se até agora não aconteceu, vai demorar muito além do previsto para se concretizar e talvez, no fundo da minha alma eu tenha me tornado eterna. E isso? Isso significa permanecer, enquanto todos os outros se vão.